#Eu lutei e venci

AUTOR: @ssantiago5

EMAIL: ssantiago5@hotmail.com 

 

NOTA @missFIT.insta:

[ Obrigada pela coragem…

Conheço a Silvana do “mundo Instagram” há bastante tempo…

Acho que foi uma das primeiras “seguidoras da miss” e, por isso, já nos acompanhamos há quase 2 anos.

Também já tive oportunidade de conhecer a Silvana pessoalmente em Aveiro, num dos eventos da #missFITteam, e atrás da “miúda envergonhada” que veio falar comigo, há um mulherão cheio de coragem, que resolveu expor a sua história, quebrando um assunto “tabu” que assombra a vida de tantas meninas!

Obrigada pela coragem, Silvana!

Obrigada pela sinceridade em contar a tua experiência, os teus medos, as tuas expectativas, as tuas vitórias…

Tenho a certeza que vais ser uma enorme inspiração para muitas meninas!

Agora, o Blog é teu! 😉 ]

 

A minha história…

Ponderei bastante antes de decidir partilhar a minha história com o “mundo”…

Para dizer a verdade, este não é um assunto que goste muito de abordar, mas tenho-me apercebido de tantas meninas (e novinhas) a sofrerem de anorexia, que achei que o meu testemunho podia ser uma ajuda.

 

Começo por me apresentar:

O meu nome é Silvana Santiago, tenho 33 anos e há 9 anos fui internada com uma anorexia nervosa.

Sou filha única, tive uma infância feliz e nunca fui uma rapariga gorda, apesar de sempre ter sido um “bom garfo”! 😉

Com a entrada na adolescência, começaram os primeiros sinais de que não estava bem comigo: comecei a não aceitar o meu corpo e a querer ser cada  vez mais magra.

 

Aos 15 anos, quando fui para o secundário, comecei a tomar laxantes para sentir a barriga “sempre lisinha”.

Aos 17 anos, foi diagnosticado um cancro do intestino à minha mãe, que acabou por falecer quando eu fiz 21 anos.

Aos 24 anos fui internada com anorexia nervosa, depois de ter procurado ajuda com a médica de família e ela me ter encaminhado de urgência para o Hospital de Aveiro.

(Pesava 29.7 kg…)

12957170_10206242464644696_1066746720_n

Como tudo começou

Como cheguei até aqui?

Ainda hoje não sei….

Lembro-me de ter começado a ter mais cuidado com a alimentação, de ter entrado no ginásio… e de sentir a satisfação de ver o peso descer de dia para dia a tomar conta de mim.

O meu dia a dia era controlado pela alimentação que fazia: As horas que devia comer, os comprimidos que tomava….

Fui-me afastando de tudo e de todos e quanto mais me chamavam a atenção para o meu estado, mais eu “fugia”…

 

Sozinha não sou capaz

Um dia deu-se o “clique”, e eu percebi que não consegui ultrapassar esta situação sozinha…

Fui pedir ajuda!

Eu não queria morrer, ainda tinha muito pela frente!

Estive 9 meses em tratamento psiquiátrico.

(1 mês internada num quarto isolado, sem fazer o mínimo esforço e o restante tempo com horário fixo das 09h às 16h)

Percebi durante este tempo que a anorexia é um “sintoma” que vai muito para além de distúrbios na alimentação. É uma maneira estranha de “fugir à realidade”, de não enfrentarmos um problema de frente e de procurarmos alguma coisa que conseguimos controlar totalmente: a alimentação, a fome…

 

A recuperação…

O processo não foi fácil…

Nada fácil…

Houve muito choro, muita discussão com o meu pai que não entendia a doença, mas aos poucos fui-me reerguendo…

Quanto, finalmente, tive alta, sentia-me com o espírito bem lá em cima: Eu queria, eu podia e fazia!

12517140_10206242463244661_2074171150_o

Mas a realidade nem sempre é como queremos e com o passar do tempo fui perdendo esta força e comecei a ter uma recaída…

 

Outra vez? Nem pensar!

Tive uma grande discussão com a minha família que me ameaçou voltar a internar…

Mas eu não ia deixar que me “prendessem” novamente e fugi!

12921090_10206242463324663_699593674_n

Sim… Fugi mesmo…

Tinha amigos em Las Palmas de Gran Canaria, marquei viagem e fui.

Estive lá durante 2 anos e foram os melhores anos da minha vida!

 

Consegui finalmente encontrar o meu espaço e “compreender-me”.

Ganhei segurança para não voltar a cair, porque estava sozinha.

Apesar de partilhar apartamento com uma amiga que conhecia a minha história, só podia contar com a minha força de vontade!

12939591_10206242463364664_941622191_n

Claro que continuei a controlar muito a minha alimentação.

Andava sempre a pesar-me para não engordar… mas também para não emagrecer…

Foquei-me nas saladas, pão, cereais, fruta, iogurtes, peixe, frango….

12966792_10206242464124683_1591183888_n

Ao fim de 2 anos senti que estava pronta para regressar e assim o fiz…

Quando voltei prometi a mim mesma que ia começar a comer como uma pessoa normal.

Claro que aumentei de peso, mas só assim a menstruação voltou! Depois de 5 anos sem menstruar, deixei de ser rotulado como anorética! 😉

12966094_10206242464564694_92584301_n

Hoje em dia…

Hoje considero-me uma pessoa “normal”.

Como de tudo sem qualquer culpa!

 

Se tenho medo de engordar? Imenso!

Mas não deixo que esse medo me paralise a vida…

Se engordar um pouquinho, faço um bocadinho mais de exercício e sou mais rigorosa com a alimentação. Mas sem nunca deixar de comer!

12966012_10206242464604695_2081987275_n

Por isso, meninas que têm o mesmo problema, a melhor opção é SEMPRE procurar ajuda profissional!

Não tenham medo que seja um Psiquiatra que eles não tratam só os “doidos”! 😉

Se não fosse a minha, eu não sei o que seria de mim!

 

Com ajuda e força de vontade, tudo é possível!

Basta acreditarem em vós próprias!

@ssilvana5

8 thoughts on “#Eu lutei e venci

  1. Obrigada Silvana. Parabéns pela coragem e pelo testemunho.
    Não tenho nem tive este problema, mas acredito que ajude muitas jovens que sofrem deste mal. Continua assim, estás ótima! (Vou te tratar por tu…a honestidade com que contaste a tua história faz com que nos sintamos “próximas” de ti, não me leves a mal).
    Obrigada também Mariana, por nos dares a conhecer pessoas como a Silvana. Não são só histórias de vida…são lições.
    Beijo grande para as duas.
    Sandra.

  2. Silvana…que Coragem! Posso dizer que te compreendo porque passei pelo mesmo…exactamente quando tinha 16 anos. É uma doença que não tem cura a 100%…porque nunca iremos ter uma “relação” normal com a comida e com o nosso corpo. Identifiquei me imenso com a tua história pk inclusivamente sou filha única e tive uma infância feliz. Como ficamos assim? Não sei…mas o que interessa é que estamos cá hoje, vivendo um dia de cada vez, mais fortes ainda. Tenho de agradecer também a Mariana que é uma ajuda diária no meu dia a dia. És das pessoas que mais me motiva e que me faz enfrentar o dia a dia e ter prazer naquilo que faço.
    Obrigada mais uma vez Silvana 🙂 um exemplo a seguir sem dúvida!
    Uma beijoca!

    1. Obrigada querida, pelas tuas palavras!
      É por bocadinhos como este que eu tenho a certeza que o projecto #missFITteam vale a pena e que faz todo o sentido “abrir” o Blog a toda a gente!
      Há histórias que merecem ser partilhadas e ter toda a divulgação possível, porque podem, de facto, fazer a diferença na vida de alguém.
      #juntassomosmaisfortes
      Mas mesmo muito mais!
      Continua com a tua força!
      Nós estamos aqui para te dar um empurrão sempre que for preciso!
      Um beijinho grande!
      Mariana

  3. Parabéns pela tua coragem Silvana… A saúde mental é um bem precioso e não lhe é dada a devida importância… É tão fácil eventos traumáticos (os meus sentimentos pela tua mãe, deve ter sido – e ainda deve ser – muito duro para ti) desencadearam reacções extremas… Tiveste a força para te reergueres… Grata Mariana por nos deixares ouvir a Silvana… #juntassomosmaisfortes

  4. uau… que testemunho profundo… fiquei completamente sem palavras… são assustadoras todas as fases da tua história… e é de facto precisa muita coragem para contar publicamente algo assim.
    Muitos Parabéns Silvana. Pela partilha, por teres dado a volta por cima e sobretudo por te teres encontrado a ti mesma.
    Muita coragem e muita força no teu caminho.
    Beijo grande.

Responder a The Luso Frenchie Cancelar resposta