#AMENORREIA-QUANDO A MENSTRUAÇÃO NÃO CHEGA

Um tema sempre actual e que desperta o interesse de tantas mulheres.
Partilho com vocês o link de um artigo da MAGG, no qual fui convidada a dar o meu contributo, com conteúdos muito interessantes:

https://magg.pt/2019/08/30/amenorreia-o-problema-que-ja-afetava-mulheres-no-holocausto-e-frequente-nos-dias-de-hoje/

Deixo-vos ainda, no final deste Post, as várias respostas que dei à jornalista Rafaela Simões, porque sei que muitas têm estas mesmas dúvidas.

Não. Não é “normal” não menstruar.
É um sinal que o nosso corpo está “desiquilibrado” de alguma maneira.

Se as redes sociais são lugares de influência e inspiração, que sejam também de realismo e transparência.
Este foi o meu percurso, recheado de hesitações e alguns obstáculos.
Felizmente, tudo correu bem!

Um grande beijinho,
Mariana – @missfit.insta

Entrevista à MAGG:

1.      Quando é que começou a perceber que algo não estava bem com o seu corpo? O que sentiu? 
Percebi que alguma coisa não estava bem quando interrompi a toma da pílula e não voltei a ter menstruação de forma natural.
Aguardei vários meses para a situação regularizar mas isso não aconteceu.

2.      Que profissionais é que consultou?
Logo nos primeiros meses que não menstruei, consultei a minha médica de família e a minha ginecologista, que, para além dos exames normais de rotina, me aconselharam a fazer uns exames hormonais.

3.      Qual é a causa da amenorreia no seu caso?
No meu caso, tudo indicava que a causa seria o excesso de treino, baixa percentagem de massa gorda, falta de descanso e horas de sono.
Nessa altura estava com, aproximadamente, 13% de massa gorda, sendo que o ideal em mulheres saudáveis ronda os 20%. Treinava quase sempre duas vezes por dia e eram raros os dias em que dormia mais do 6h por noite.

4.      Como é que chegou ao diagnóstico que confirmava a amenorreia? O diagnóstico nunca é “simples”. Descartados todos os problemas hormonais e ginecológicos, as médicas concluíram que era uma amenorreia provocada pelo meu estilo de vida, que, até à data, sempre considerei ser o mais saudável!

5.      A partir daí que cuidados teve de ter?
Para alguém que adora treinar e que tem uma rotina de exercício físico muito consistente, é extremamente complicado aceitar que tem de abrandar, descansar mais e aumentar a percentagem de massa gorda. Percebi que para resolver a situação precisava de ser mais forte que os meus receios em “ficar gorda” ou “flácida” e aceitar que o ritmo que estava a seguir não era saudável e não mês estava a fazer bem. Tinha acabado de correr uma Maratona e preparava-me para correr outra nesse ano. Abdiquei desse objetivo, comecei a correr e a treinar muito menos e a tentar descansar mais. Apesar de ainda ser o meu horário preferido, deixei de treinar às 7h00 da manhã, para tentar dormir no mínimo 7 a 8 horas por dia.

6.      Entretanto engravidou. Achou que isso pudesse não acontecer devido à amenorreia?
Sim. Era o que mais me angustiava. Tinha o objetivo de ser mãe a curto prazo e o facto de não ter o meu sistema reprodutor regularizado assustava-me bastante. Desde que me foi diagnosticada a amenorreia, fui acompanhada sistematicamente pela ginecologista, para perceber como estava a reagir o meu corpo às mudanças de rotina que estava a implementar. Quando engravidei, já tinha feito alguns progressos, mas ainda não estava totalmente regularizada, acabou, por isso, por ser uma surpresa muito feliz.

7.      A amenorreia teve implicações durante o processo de gravidez?
Não. A gravidez tem corrido lindamente, sem grandes incómodos. De certa forma, penso que os hábitos que fui ganhando, de treino mais moderado e maior descanso, contribuíram para que esta fase fosse passada de forma muito mais tranquila e natural. Não precisei de alterar bruscamente as minhas rotinas e encarei todo o processo de uma forma muito equilibrada e natural.

8.      É conhecida como a Miss Fit. Acha que enquanto influenciadora do fitness, tendo passado por este problema, pode alertar as mulheres para ouvirem o corpo?
Sem dúvida. O meu objetivo sempre foi o de passar o exemplo de uma rotina e modo de vida saudáveis. Acabei por cair no erro do “exagero”, de levar ao extremo esta intenção e sofri as consequências. Nunca escondi o que se estava a passar comigo e, inclusivamente, escrevi sobre isso, várias vezes no meu Blog.

https://missfitteam.blog/2018/12/02/equilibrar-a-rotina/

https://missfitteam.blog/2019/03/26/caminho-amenorreia-gravidez/

Hoje em dia, tento passar a mensagem de que devemos ser disciplinadas e preocupadas com o nosso corpo, mas, sobretudo, com a nossa saúde! Pelo que é fundamental não nos deixarmos levar em exageros, em busca da “barriga ou das pernas perfeitas”. A chave estará sempre no equilíbrio.

Deixar uma resposta